Buscar
  • Vera Lúcia Bueno

Crianças e adolescentes na pandemia


Estamos vivendo um período de muitas incertezas. A imagem de que um vírus ronda nossas vidas e pode ser fatal é aterrorizante. Crianças e adolescentes não são o foco de maiores preocupações pois, embora possam se infectar, as manifestações clínicas são mais leves. Mas do ponto de vista mental/emocional eles podem ser considerados grupo de risco por apresentar quadros preocupantes. Os transtornos mentais diante do isolamento social, da mudança radical em sua rotina e dos novos comportamentos esperados podem gerar problemas tais como a dificuldade de concentração, irritabilidade, medo, inquietações, tédio, sensação de solidão, alterações no padrão do sono e alimentação, ansiedade, depressão entre outros.

Você já parou para olhar como está o mundo do seu filho? Quais são suas reações diante deste período de isolamento? Será que você não está exigindo demais dele? Não seria prudente ser um pouco flexível com horários, rotinas e tarefas? Como anda o relacionamento entre vocês? Ele tem passado muito tempo nas redes sociais? Você sabe com quem ele interage? Será que ele está precisando de apoio, talvez uma ajuda profissional?

É normal que em alguns momentos você não tenha paciência, esteja nervoso ou angustiado, afinal, este período evoca desafios, mas manter o diálogo e mostrar acolhimento com as crianças e adolescentes pode fazer com que eles entendam que há momentos difíceis, dolorosos, mas que juntos somos mais fortes para enfrentar e vencer.





0 visualização
  • Instagram
  • Facebook ícone social
WhatsApp-icone.png

Rua Marcos Mocelin, 89, Sala 3 - Santa Felicidade - Curitiba, Paraná - 82020-510
Telefone (41) 99969-7200